Pesquisar
Imprimir
Procura de revendedor
load google maps

Óleos

Os óleos dissipam eficientemente o calor nos pontos de lubrificação. Adicionalmente, apresentam um poder de fluência e molhagem muito bom. Por esta razão, com temperaturas ou velocidades elevadas é utilizada a lubrificação a óleo.

Óleos com aditivos altamente eficientes para uma lubrificação de confiança

Os óleos dissipam eficientemente o calor nos pontos de lubrificação. Adicionalmente, apresentam um poder de fluência e molhagem muito bom. Por esta razão, com temperaturas ou velocidades elevadas é utilizada a lubrificação a óleo. Entre os exemplos de utilização típicos encontram-se as engrenagens, correntes, chumaceiras de deslizamento, componentes hidráulicos e compressores.

Características Norma Descrição
Viscosidade DIN 51561 Medição do atrito interno dos líquidos
ISO VG DIN 51519 Divisão dos óleos em classes de viscosidade
Temperatura de utilização   Margem de temperatura de desempenho ótimo
Ponto de inflamação DIN ISO 2592 Temperatura mais baixa à qual a mistura vapor/ar se inflama através de uma fonte de ignição externa
Ponto de fluxão DIN ISO 3016 A temperatura mais baixa à qual o óleo ainda flui

Estrutura de óleos de alta eficiência

Para além da seleção criteriosa do óleo de base (tipo, viscosidade), também a aditivação desempenha um papel importante na formulação de um óleo de alta eficiência, tendo um impacto significativo na relação preço / desempenho. Os óleos lubrificantes modernos são concebidos de forma a que, no caso de perfuração da película do óleo, as substâncias ativas formem uma película de proteção, protegendo assim as superfícies contra o desgaste.

Características de óleos de base

Na escolha de um óleo lubrificante, o óleo de base tem uma importância decisiva. Os óleos minerais, hidrocarbonetos sintéticos (poli-alfa-olefinas=PAO), ésteres, poliglicóis e óleos de silicone diferem consideravelmente nas suas propriedades físicas e o respetivo comportamento químico.

Características Óleos minerais Óleos de hidrocarbonetos de óleos sintéticos (PAO) Óleos de ésteres Óleos de poliglicóis Óleos de silicone
Densidade 20°C [g/ml] aprox.: 0,9 0,85 0,9 0,9 - 1,1 0,9 - 1,05
Ponto de fluxão [°C] aprox.: -40 -> -10 -50 -> -30 -70 -> -35 -55 -> -20 -80 -> -30
Ponto de inflamação [°C] aprox.: < 250 < 200 200 -> 270 150 -> 300 150 -> 350
Resistência à oxidação - + + + ++
Estabilidade térmica - + + + ++
Compatibilidade com o plástico + + - depende do tipo +

Compatibilidade dos óleos

A miscibilidade de diferentes óleos lubrificantes é consideravelmente influenciada pelos óleos de base, devendo ser tido em consideração aquando
da mudança do óleo lubrificante, tendo em atenção a viscosidade.

  Óleo mineral Poli-alfa-olefinas Óleos de ésteres Óleo de poliglicóis Óleo de silicone
(Metilo)
Óleo de silicone
(Fenil)
Óleo de éter de polifenil Perfluoropoliéter
Óleo mineral        
Poli-alfa-olefinas          
Óleos de ésteres    
Óleo de poliglicóis            
Óleo de silicone (Metilo)            
Óleo de silicone (Fenil)      
Óleo de éter de polifenil          
Perfluoropoliéter              

■ miscível  □ miscível condicionalmente

Viscosidade – a medição do atrito interno
de substâncias líquidas

A escolha da viscosidade de um óleo depende do campo de utilização do lubrificante. Em geral aplica-se o seguinte princípio: baixa viscosidade para baixa tensão de compressão e altas velocidades de deslize, alta viscosidade para alta tensão de compressão, baixas velocidades de deslize e altas temperaturas. A viscosidade pode ser determinada usando diferentes métodos de medição (consulte Testes e métodos de medição). A viscosidade cinemática é fornecida em mm2/s, sendo utilizada para classificação. A viscosidade dinâmica é fornecida em mPa s. Tomando em consideração a densidade, ambas as viscosidades são interconversíveis, com a equação: visc. dinâmica = densidade x viscosidade cinemática

Dependência da viscosidade da temperatura A viscosidade de um óleo muda dependendo da temperatura, pressão e tensão de cisalhamento, bem como o tempo em que isto ocorre. O mais importante fator de influência é a temperatura. À medida que a temperatura aumenta, a viscosidade diminui e vice-versa, dependendo do tipo de óleo.

A divisão de óleos lubrificantes em classes de viscosidade é realizada de acordo com a ISO (DIN 51 519) ou em conformidade com a SAE (Society of Automotive Engineers).

 

Cinemática
ISO-VG
Viscosidade (40°C):
[mm2/s]
15 13,5 – 16,5
22 19,8 – 24,2
32 28,8 – 35,2
46 41,4 – 50,6
68 61,2 – 74,8
100 90 – 110
150 135 – 165
220 198 – 242
320 288 – 352
460 414 – 506
680 612 – 748
1.000 900 – 1.000
1.500 1.350 – 1.650

Classes de viscosidade ISO conforme a norma DIN 51 519

As classes ISO-VG (Grau de Viscosidade) aplicam-se apenas a óleos lubrificantes industriais. Existem 18 classes VG cinemáticas de 2 mm2/s a 1.500 mm2 / s. A viscosidade é determinada a 40 °C.

Classes de viscosidade em conformidade com a SAE

Os óleos lubrificantes para transmissões e motores de veículos são classificados de acordo com as classes de viscosidade SAE. Estes variam de 0 a 60 para óleos de motor e entre 70 a 250 para óleos para engrenagens. Os valores de viscosidade são medidos a 100 °C.

  • Contacto

    OKS Spezialschmierstoffe GmbH

    Ganghoferstr. 47
    82216 Maisach
    Germany

    • +49 (0) 8142 3051 - 500
    • +49 (0) 8142 3051 - 599
  • Combinar chamada de resposta

  • Catálogo geral

    Catálogo geral

    Gama de produtos completa OKS
    Noções básicas de tipos de lubrificantes e tribologia.

    Download