Pesquisar
Imprimir
Procura de revendedor
load google maps

Temas principais

08.10.2012

Lubrificação de correntes

Uma lubrificação de correntes ideal significa segurança e vantagens de custos. Enquanto elementos de máquinas, as correntes possibilitam a transmissão de movimentos e de forças de tração. A lubrificação de correntes ideal influencia o comportamento de desgaste e, por conseguinte, consideravelmente a vida útil de uma corrente.

Estrutura e funcionamento de uma corrente

Atualmente, as correntes de rolos são as utilizadas mais frequentemente na indústria. As suas articulações de correntes são constituídas por patilhas interiores e exteriores unidas por pernos. Os pernos das patilhas interiores encontram-se em mangas que por sua vez assentam num rolo. Este rolo causa uma redução das forças de acionamento e do desgaste durante o funcionamento da corrente.

As transmissões por corrente são constituídas por um pinhão de ataque, uma corrente, um esticador de corrente e uma roda de corrente. A força de tração é transmitida através do pinhão de ataque à corrente. Esta força é absorvida na corrente tanto pelas patilhas como pelos pernos que estão em contacto em linha com os casquilhos e através destes em contacto com os rolos. O próprio movimento da corrente decorre do desvio da roda de corrente.

Lubrificação de correntes

A lubrificação de correntes ideal influencia o comportamento de desgaste e, por conseguinte, consideravelmente a vida útil de uma corrente. Os estudos estatísticos concluíram que aprox. 60 % de todos os defeitos de correntes devem-se a uma lubrificação errada ou insuficiente.

Para alcançar uma lubrificação eficaz, tem de ser alimentada uma quantidade suficiente de lubrificante nas articulações de correntes em cada processo de lubrificação. Neste processo, o lubrificante tem de passar por uma fenda estreita entre as patilhas para penetrar na articulação da corrente. A quantidade de lubrificante necessária para este efeito é relativamente pequena.

O lubrificante tem de ser sempre aplicado sobre os rebordos das patilhas. Para as transmissões por corrente com uma velocidade até aprox. 3 m/s, a lubrificação pode ser realizada manualmente ou gota a gota. O óleo é aplicado com pincel, almotolia, spray ou lubrificador com conta-gotas, devendo o lubrificante ser aplicado apenas na face superior das patilhas. Para velocidades de correntes mais elevadas são necessários sistemas de lubrificação automáticos.

No caso de lubrificação manual e gota a gota, a quantidade de lubrificante deverá ser suficiente para evitar o envelhecimento rápido do lubrificante nos intervalos de relubrificação. No caso de lubrificação manual de uma corrente em movimento contínuo, deve ocorrer uma relubrificação pelo menos uma vez por dia ou a cada oito horas de serviço.

 Critérios de seleção de lubrificantes de correntes

Devido à estrutura das correntes e o seu funcionamento exclusivo na área de fricção combinada resultam múltiplos problemas na utilização, como abrasão de material pelo contacto em linha, movimentos de oscilação e impactos, elevadas pressões superficiais nas patilhas e nos pernos, ou efeitos das influências do ambiente sobre o funcionamento da corrente, tais como altas ou baixas temperaturas, pó, humidade. Tal resulta em elevados requisitos para os lubrificantes de correntes utilizados.

Capacidade de aderência
O lubrificante não deve ser projetado nos pontos de desvio da corrente onde podem ocorrer elevadas forças centrífugas.

Capacidade de regeneração
Os restos de lubrificante usado e resíduos com efeito abrasivo podem causar um elevado desgaste. Estes devem ser dissolvidos pelo lubrificante e transportados para fora das articulações.

Estabilidade a altas temperaturas
Dado que a opção por uma transmissão por corrente muitas vezes se deve às elevadas temperaturas de utilização, o lubrificante tem de cumprir a sua capacidade de funcionamento dentro dessas margens de temperatura.

Proteção contra a corrosão
É importante para todas as correntes que são utilizadas sob condições corrosivas, para evitar o aparecimento de ferrugem nos elementos da corrente.

Proteção contra agentes
I. e., o lubrificante tem de ser resistente a ácidos e soluções alcalinas ou gases agressivos.

Tendência de carbonização
A altas temperaturas, os óleos minerais têm tendência para formar resíduos que aumentam nitidamente o desgaste, podendo bloquear a articulação da corrente até à sua imobilização.

Capacidade de humidificação e de fluência
Dado que os pontos de atrito se encontram no interior da corrente e os acessos às articulações são extremamente estreitos, especialmente em correntes pequenas, o lubrificante de correntes tem de possuir uma excelente capacidade de fluência (elevada capacidade de penetração).

Proteção contra o desgaste
As correntes são sujeitas a um elevado desgaste devido à utilização na área de fricção combinada. Por isso, a proteção contra o desgaste é especialmente importante. Esta é possível através da adição de lubrificantes sólidos como MoS2, grafite ou PTFE, os quais atuam apenas fisicamente separando os componentes de fricção. Contudo, também pode ser realizada através de pacotes de aditivos para tratamento de superfícies.

Amortecimento de ruídos
Dado que as leis de segurança no trabalho já não permitem fontes de ruídos desnecessárias, é importante prevenir aqui mediante a seleção do lubrificante correto. Em regra, uma viscosidade do óleo de base mais elevada significa também uma maior redução de ruídos.

Compatibilidade com plásticos
As correntes entram frequentemente em contacto com plásticos ou são em parte compostas de material plástico como, p. ex., correntes de O-rings. Aqui tem de se ter em atenção a compatibilidade com o lubrificante.

Efeito hidrocapilar
Se uma corrente for exposta à água, esta irá penetrar nos elos da corrente. A tarefa do lubrificante de correntes, para evitar corrosão, é subverter o efeito da água e repeli-la da corrente.

Utilização na indústria alimentar
Para as correntes utilizadas na indústria alimentar são adequados os lubrificantes com as respetivas autorizações da NSF.

A nossa assistência técnica terá todo o gosto em ajudá-lo, caso tenha mais alguma questão sobre a lubrificação de correntes.

Lubrificantes especiais OKS para a lubrificação de correntes
A OKS oferece-lhe uma vasta gama de lubrificantes especiais para a lubrificação de correntes nas mais variadas condições de utilização. A tabela de produtos em anexo ajuda-o na escolha do lubrificante adequado para o seu caso de utilização.

Voltar à vista geral
  • Combinar chamada de resposta

  • Serviço técnico e de apoio ao cliente

    Serviço técnico e de apoio ao cliente

    • +49 (0) 8142 3051 - 637